domingo, 27 de janeiro de 2008

Exposição de João Carita

A partir de hoje, 25 de Janeiro, está patente uma exposição de pintura de João Carita. O seu trabalho baseia-se na interpretação erótica da mulher, não tanto pelo lado físico mas sim pelo lado espiritual que, nesta colecção, retrata um pouco o lado “negro” da sedução feminina. Segundo Carita, "Concentro-me fundamentalmente na presença humana. Aquilo que procuro não é a representação do real ou irreal, mas sim, o inconsciente, o mistério do que há de instintivo na raça humana. A arte sem a representação da sexualidade, do erotismo, do mistério, do sentimento, da expressão, da individualidade e da intelectualidade feminina não sobrevive... não existe!!!"
Esta exposição de pintura com uma figuração bastante próxima à de Amedeo Modigliani, estará no Sol até 22 de Fevereiro. Para saber mais sobre João Carita consulte o site:

"After the Sexual Simulated Orgasm"

Óleo sobre tela 50x70cm

Conforme comentário

"Conhecer a arte de João Carita é ir mais além do que o simples observar de retratos humanos de agradáveis efeitos de formas e cores. É penetrar num mundo carregado de mensagens subliminares que abordam a sexualidade, o erotismo, a complexidade das relações humanas, com uma tal profundidade que não nos deixam indiferentes. Esta é sem dúvida, uma exposição a não perder, onde os aspectos conceptuais se aliam de uma forma inteligentemente pensada à coerência estética."

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

48º exercício de estilo

Poesia e palavreados em alta voz,
já no dia 17, quinta-feira,
com um tratamento especial a Luiz Pacheco.

Janeiras ao Sol

Foi no dia 5, Sábado, que os Resident All Stars Janeiras Band, uma banda repentinamente composta por elementos cativos do Sol mói, vieram dar um verdadeiro espectáculo janeirista no nosso palco. Depois de devidamente ensaiados pelas terras de Azeitão e arredores, vieram aqui desaguar (e aguar!!), para dar o show final. Correu como só as boas surpresas correm: lindamente.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

NÃO FUMADORES

Conforme o esperado,
A PARTIR DE 1 DE JANEIRO
O SOL MÓI O PAI
PASSOU A SER UM BAR DE
NÃO FUMADORES.

No entanto, no exterior, existe um "acolhedor" alpendre com um cinzeiro e uma magnífica teia de aranha no candeeiro de entrada. Tudo especialmente preparado para o fumador apreciar a natureza e as ondas do seu fumo a debaterem-se com a atmosfera do campo.
Aos fumadores: boas passas.

domingo, 6 de janeiro de 2008

Poesia em rampa

A 27 de Dezembro a experiência nº47 de poesias ditas teve uma sessão jam-performativa numa rampa de lavagem de cabeleireiro sob o tema: "Purgai os males do ano e lava o cabelo" A partir daqui tudo foi possível. As fotos falam por si porque as palavras já foram ditas.

Uma olhar pelo cenário.




Paulo a dizer um poema de sua autoria enquanto Flankus lhe ameaça um corte de cabelo.


Rafael, o Leafar, na força da sua poesia enquanto espinal se atira a ele com uma tesoura em riste.




Xavier inquieto com um dos seus repoemas (poema feito em cima de outro já escrito, num livro que não interessa).




Uma sessão em três vozes com um texto de Mário Cesariny.

La Poetessa a dizer e Paulo a tentar espalhar as ideias.

Maresia num momento de reflexão enquanto Alexandra lhe apara a voz.



Cristina, já com um penteado pop, a participar numa prosa.



espinal revolta-se contra o estado do ensino em Portugal.




Conversa a 3 com Mário Cesariny.


Rafael, o grande Leafar, teve uma das melhores performances de sempre. Montou uma barbearia, trajou-se a perceito e disse um poema em que recordava os instrumentos do barbeiro, mostrando-os um por um, sem esquecer o creme Nivia e o Pó de Talco. Memorável.

Um verdadeiro corte de cabelo. !Oh.skar a dizer de seus pecados, enquanto espinalMedula o castivava rapando-lhe o cabelo.



Para finalizar, uma jam-poética a seis vozes. Misturou-se o erudito, com o popular e a palavraria das revistas de sala-de-espera.